O que são fachadas cinéticas na Arquitetura?

por Lilly Cao
Traduzido por Eduardo Souza

 

Durante a maior parte da história da arquitetura, fachadas interessantes foram alcançadas através da materialidade ou ornamentação. Dos frisos elaboradamente pintados do Parthenon ao exterior de vidro dos modernos arranha-céus, a arquitetura era basicamente estática, apenas “mudando” junto com o seu contexto, seja de chuva, luzes, ferrugem, etc.

 

Como a tecnologia progrediu e as fachadas se transformaram – literalmente – o papel do contexto não diminuiu. Em vez disso, tecnologia de ponta permitiu que os projetistas desenvolvessem arquiteturas que respondessem a estímulos ambientais de maneiras mais interessantes do que nunca. Muitas vezes, esses projetos assumem a forma de fachadas cinéticas: fachadas arquitetônicas que mudam dinamicamente, transformando edifícios de monólitos estáticos em superfícies sempre em movimento.

 

Al Bahar Towers. Image © Aedas

As fachadas cinéticas podem e tomaram uma infinidade de formas ao longo dos anos. Muitas vezes, medeiam entre estética e utilidade, empurrando visuais impressionantes ao lado da proteção ambiental. Um dos exemplos mais citados dessa mediação é o Al Bahar Towers, da Aedas Architects, em Abu Dhabi. Os painéis em forma de guarda-chuva da fachada abrem e fecham em resposta ao movimento do sol, protegendo os usuários do calor e do brilho, diminuindo a necessidade de ar-condicionado e tornando o edifício mais sustentável. Os painéis em si não são apenas esteticamente agradáveis no desenho, mas são inspirados nos tradicionais sistemas de sombreamento islâmicos, respeitando também o patrimônio cultural.

 

Al Bahar Towers. Image © Aedas
Diagrama do Painel Al Bahar Towers. Image © Aedas

Outros arquitetos também usaram fachadas cinéticas para mediar a temperatura. O Showroom da Kiefer Technic da Ernst Giselbrecht + Partner é outro exemplo icônico dessa abordagem, com 112 grandes placas metálicas que se transformam ao longo do dia para criar condições ideais de sombreamento. Os usuários podem controlar essas condições de dentro do prédio, adaptando a fachada para corresponder exatamente às suas preferências.

 

Kiefer Technic Showroom. Image Courtesy of Ernst Giselbrecht + Partner
Painéis de sombreamento do Kiefer Technic Showroom. Image Courtesy of Ernst Giselbrecht + Partner

Ency Ruiz Geli, do Media-ICT, apresenta similarmente almofadas infláveis de ETFE que se abrem no inverno para coletar energia solar e fechar durante o verão para dar sombra. Embora menos imediatamente cinética, a fachada se transforma em diferentes pontos do ano para responder efetivamente aos estímulos ambientais.

 

Enric Ruiz Geli’s Media-ICT. Image © Iwan Baan

No entanto, a luz e a temperatura não são os únicos fatores ambientais que as fachadas cinéticas podem responder. Tanto a Oxford Street Debenhams Store quanto o Brisbane Domestic Terminal Carpark ostentavam telhas de alumínio que ondulavam em resposta às correntes de vento, proporcionando proteção contra sombra e chuva, além do efeito estético.

 

Fachada cinética do parque de estacionamento terminal doméstico de Brisbane. Image Courtesy of Urban Art Projects

Às vezes, projetos de fachada cinética se inclinam ainda mais para a estética, priorizando a beleza sobre a regulação da luz, temperatura ou chuva. Por exemplo, o Galleria Centercity do UNStudio destaca animações geradas por computador e tecnologia de iluminação sobre as fachadas mecânicas de outros projetos cinéticos. Embora a fachada em si nunca mude, ondas suaves de luz colorida iluminando a superfície fazem com que todo o edifício pareça estar em movimento.

 

Fachada iluminada de Galleria Centercity. Image © UNStudio. Photographed by Kim Jong-Kwan
Fachada iluminada de Galleria Centercity. Image © UNStudio. Photographed by Kim Jong-Kwan

Enquanto as facetas cinéticas são um fenômeno obviamente recente, as formas que elas adotam já diferem muito. Variando de módulos triangulares a gigantescos sombreadores, telhas de alumínio e animações projetadas, cada desenho tem um propósito único e, portanto, assume uma forma única. Como os arquitetos estão percebendo cada vez mais, as facetas cinéticas podem ser uma ferramenta poderosa para abordar as antigas questões da arquitetura – beleza, sustentabilidade, conforto – de uma maneira ousada, nova e tecnologicamente orientada.

 

Fachada do centro de Galleria. Image © UNStudio. Photographed by Christian Richters

 

Disponível em: www.archdaily.com.br/br/923052. Acesso em: 10/09/2019.

Share your thoughts