Parque Zaryadye | Diller Scofidio + Renfro

Por María Francisca González
Traduzido por Eduardo Souza

Parque Zaryadye, em Moscou, já recebeu mais de um milhão de visitantes desde a inauguração

 

Após 50 anos, Moscou inaugurou um novo parque urbano. Trata-se do parque Zaryadye, projetado pelos arquitetos Diller Scofidio + Renfro, Citymakers e Hargreaves Associates, que já alcançou seu primeiro milhão de visitas desde a abertura.

 

O parque converteu-se em um dos espaços contemporâneos mais importantes de Moscou, exibindo uma alta qualidade de infraestrutura e paisagem, assim como extraordinárias vistas para o Kremlin e a Praça Vermelha.

 

© María González

O projeto é o resultado de uma chamada organizada por Strelka Institute for Media Architecture and Design e Sergey Kuznetsov, Arquiteto chefe de Moscou. Os vencedores, Diller Scofidio + Renfro, deixaram para trás uma série de escritórios importantes, como o escritório russo TPO RESERVE, que obteve o segundo lugar e os holandeses do MVRDV, que ficaram em terceiro lugar.

Site Plan

 

Daliya Safiullina, consultora do Strelka e organizadora do concurso, aponta em conversa com o ArchDaily: “O desafio era criar um modelo de parque contemporâneo para Moscou, pois nada semelhante havia sido construído desde 1958. A ideia era criar um museu ao ar livre onde a exposição fosse da paisagem e do skyline da cidade, uma plataforma que permitisse aos usuários apreciarem a beleza de Moscou. Nesse sentido, a passarela proposta pelos vencedores converteu-se na essência do parque”.

© Iwan Baan

 

Zaryadye foi batizado no fim do século XV, quando a Praça Vermelha era um grande mercado. Literalmente, significa “atrás das filas”, fazendo referência ao que estendia para além do setor comercial.

 

No fim de 1940, estabeleceu-se uma base para o que teria sido o oitavo arranha-céu de Stalin. No entanto, Zaryadye foi, durante o ano, o principal projeto de construção atrasado da União Soviética. Em 1967, o arquiteto Dmitry Chechulin construiu o Hotel Rússia, que acabou demolido com menos de 40 anos de uso. Sobre isso, Sergey Kuznetsov relata em entrevista com ArchDaily: “Após a demolição, o terreno permaneceu abandonado por 6 anos. Sob a gestão municipal de Yuri Luzhkov (1992 – 2010), as autoridades contemplaram vários projetos comerciais de empreendimentos imobiliários, incluindo uma proposta do arquiteto Norman Foster. Finalmente, em 2012, o governo de Moscou decidiu criar um parque público multifuncional”.

© Iwan Baan

 

Urbanismo Selvagem

O conceito principal da proposta é o Urbanismo Selvagem, uma ideia complexa que se esforça tanto pela simbiose do natural e o artificial, onde as plantas e as pessoas têm igual importância. Mary Margaret Jones, arquiteta principal do Hargreaves Associates, explica: “Queríamos criar algo fluido e orgânico, algo que permitisse aos visitantes moverem-se livremente pelo parque. Para alcançar isso, trouxemos a pavimentação de pedras da Praça Vermelha ao interior do parque e, por outro lado, ampliamos o bosque do parque até a Catedral de San Basílio. Assim, criamos uma paisagem híbrida onde o natural e o construído coabitam para criar um novo tipo de espaço público”.

© Iwan Baan

 

© María González

 

Brian Tabolt, sócio de DS+R, acrescenta: “Trata-se de fundir coisas que normalmente não sonhamos fazer, como o pavimento com a vegetação, por exemplo, ou a paisagem urbana como a paisagem natural. O parque Zaryadye é uma superposição de camadas onde esses elementos podem coexistir simultaneamente”.

© Iwan Baan

 

Além disso, a proposta apresenta uma variedade paisagística que tenta refletir a diversidade natural da Rússia: as estepes, as florestas, os pântanos e a tundra, que descem do nordeste do parque para o sudoeste, e que se sobrepõem em nós que alojarão microclimas artificiais sustentáveis e utilizáveis ao longo do ano.

 

© María González

“O parque Zaryadye é um bom exemplo de espaço público para as cidades com climas extremos”, conta Peter Kudryavtsex, CEO de Citymakers. Aqui há espaços fechados como pavilhões que permitem aos visitantes refugiarem-se e entreterem-se; espaços semifechados como a casca de vidro ou a entrada dos pavilhões, onde pode ser protegida da chuva ou do vento; e espaços abertos como esplanadas e passeios”, acrescenta.

© Iwan Baan

 

Após cinco anos de desenvolvimento, o último dia 9 de setembro foi a abertura oficial do parque. Durante o primeiro mês de abertura, o parque já recebeu mais de um milhão de visitas e mais de 50 mil fotos no Instagram com a hashtag #зарядье (Zaryadye, no alfabeto cirílico). Kuznetsov afirma que “não é apenas um novo espaço público, [mas] o parque é algo diferente do restante do que está na cidade. É moderno, ousado, experimental e as pessoas se sentem orgulhosas”.

 

© María González

 

Arquitetos: Diller Scofidio + Renfro
Localização: Ulitsa Varvarka, 8с1, Moscou, Rússia
Paisagismo e Masterplan: Hargreaves Associates
Sócio Local, Desenho Urbano: Citymakers
Área: 102.000 m²
Ano do projeto: 2017
Fotografias: Iwan Baan, Maria Gonzalez
Observação do Rio: 70 metros lineares
Centro de Mídia: 7.800 m²
Centro Natural e Caverna de Gelo: 3.100 m²
Restaurante: 2.300 m²
Mercado: 2.100 m²

 

Disponível em: www.archdaily.com.br/br/882902. Acesso em: 12/06/2018.

 

Share your thoughts