Como são construídas as paredes de taipa

Escrito por Lilly Cao | Traduzido por Eduardo Souza

 

A terra batida tem sido usada na construção há milhares de anos, com evidências de seu uso que datam do período neolítico. Comumente usada especialmente na China, a técnica era aplicada aos monumentos antigos e à arquitetura vernacular, com a Grande Muralha da China utilizando a técnica. Embora o interesse em taipa tenha diminuído no século 20, alguns continuam a defender seu uso hoje, citando sua sustentabilidade em comparação com os métodos de construção mais modernos. Notavelmente, as estruturas de terra batida usam materiais locais, o que significa que possuem pouca energia incorporada e produzem pouco desperdício. Abaixo, descrevemos como construir com este material.

The Great Wall of China in 1907. Image © Public Domain

Para começar, trabalhar com taipa exige uma forte compreensão do clima e do local em que a estrutura será construída. Normalmente, a técnica de terra batida funciona melhor em climas com alta umidade e temperaturas relativamente moderadas. Em climas mais frios, as paredes de terra batida podem precisar de isoladores adicionais, enquanto em locais com muita chuva, elas precisarão de proteção adicional contra a chuva. Além disso, muitos países carecem de regulamentação para edifícios de terra batida. Por esses motivos, a construção de terra compactada pode não ser viável em alguns locais.

Uma parede de terra batida no Centro Cultural do Deserto Nk’Mip. Image © Nic Lehoux Photography

Uma vez que o local é considerado viável, a estrutura para as paredes pode ser construída. Normalmente, consistindo em dois painéis paralelos de madeira ou chapas de compensado, a estrutura é preenchida com uma camada de terra úmida, que normalmente inclui areia, cascalho, argila e um estabilizador. Após a adição desta pequena camada, ela é comprimida em cerca de metade do seu volume original usando um socador pneumático. Esse processo é repetido iterativamente até que a estrutura seja preenchida com terra compactada, permitindo que a madeira seja removida e uma parede de terra batida auto-portante permaneça.

Taipa durante a construção [CC BY (https://creativecommons.org/licenses/by/3.0)]. Image © Wikipedia user Moshira

Para melhorar algumas das deficiências dessa técnica antiga, medidas adicionais podem ser tomadas para melhorar as propriedades das paredes. Por exemplo, para melhorar o desempenho térmico relativamente baixo da terra batida, os arquitetos podem adicionar isolamento extra às paredes. Se aplicado externamente, o isolamento deve ser permeável ao vapor para permitir a evaporação; se aplicado internamente, as opções de isolamento são muito mais flexíveis, embora o isolamento não deva ser fixado diretamente na face da parede. Para compensar possíveis danos causados pela água, as paredes de terra batida devem ser protegidas por beirais longos e salientes e elevados em bases sólidas elevadas, pelo menos, 225 mm acima do nível do solo.

Image © Toshihiro Misaki

Às vezes, para remediar essas deficiências, bem como aumentar a capacidade de suporte de paredes de taipa, cimento é adicionado à mistura original do solo como estabilizador. Esta mistura é conhecida como Stabilized Rammed Earth – SRE (ou Terra Estabilizada Compactada) em contraste com a Rammed Earth – RE (Terra Compactada ou Taipa) e é comum principalmente na Austrália. No entanto, essa adição pode diminuir a sustentabilidade elogiada da construção de terra compactada devido à alta energia incorporada do cimento. Os arquitetos que escolhem entre SRE e RE devem considerar o clima, os requisitos estruturais, a durabilidade e a sustentabilidade ao tomar sua decisão.

Ricola Kräuterzentrum por Herzog & de Meuron. Image © Iwan Baan

A técnica da taipa pode ser um dos métodos de construção mais antigos conhecidos, mas é muito interessante investigar a atualização para os tempos modernos. Por ser um material ecológico, forte e mesmo estético, a taipa tem muito potencial para o futuro – tanto quanto era no passado.

Ajijic por Tatiana Bilbao. Image © Iwan Baan

 

Disponível em: www.archdaily.com.br/br/933368. Acesso em: 03/03/2020.

 

Share your thoughts